Mara Regina Weiss

Textos


Mutação

No casulo ainda protegida,
sem nem saber de nada, nem da vida,
esperava ansiosa a primavera
sem nunca ter sido, eu que já era.
Ao longo dessa minha mutação,
descobri ter no peito um coração
que embora insensato já previa
tudo ali tinha um quê de poesia: 
e aos poucos já estava eu completa:
quando pensava ser uma borboleta,
rompi a crisálida, nasci, virei poeta!

Mara Regina Weiss
Enviado por Mara Regina Weiss em 06/09/2010
Alterado em 06/09/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mara Regina Weiss e o site marareginaweiss.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras